Inaitec integra ecossistema criativo da Pedra Branca

O que é uma cidade criativa? Por definição, é um lugar onde há uma relação direta e eficiente entre atividades sociais, artísticas e industriais. O movimento resultante disso é capaz de atrair e reter os melhores talentos e também melhorar a qualidade de vida dos cidadãos. Forma-se então um verdadeiro círculo virtuoso, que gera maior conhecimento entre os moradores da região, aumenta a atração de turistas e o potencial criativo de empresas e instituições – além de gerar mais emprego e renda. Esse é o modelo perfeito de um ecossistema econômico sustentável.

De acordo com o relatório Creative Economy Report, elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU), e que avalia o impacto da criatividade e da inovação no desenvolvimento dos países, as cidades criativas têm, normalmente, três pontos em comum. O primeiro deles são as inovações amplas, nas áreas tecnológica e social. O segundo item diz respeito à inovação cultural, pois ela traz impacto econômico e estimula a criatividade. O terceiro ponto é o ecossistema em si, que promove o entendimento da cidade como um sistema próprio.

Nova York, Barcelona, Berlim e Amsterdã são constantemente citadas como exemplos de cidades criativas, muito por causa da quantidade de negócios e ideias inovadoras e da geração de emprego e renda desses locais. Seja qual for a ótica ou a métrica empregada, o município de Palhoça merece destaque. E, dentro deste recorte geográfico, a Pedra Branca se configura como um dos principais spots de economia criativa do Brasil.

Segundo Marcelo Fett, secretário de Desenvolvimento Econômico da cidade de Palhoça, atualmente são 580 CNPJs ativos, que movimentam R$ 1 bilhão ao ano. Uma evidência da força da indústria da inovação no município e também no bairro-cidade.

– O que faz da Pedra Branca um polo dessa nova economia é o ambiente favorável aos negócios. Segurança jurídica, dinamismo e agilidade. O papel da gestão pública é alavancar todo esse processo – explica Fett.

Para o secretário, uma indústria intensiva em inovação é a tendência para o futuro. E a Pedra Branca acentuará a colocação da cidade de Palhoça nesse cenário.
– Vemos muitas pessoas falando inglês, profissionais com aquele estilo típico de quem trabalha com tecnologia. Temos um ecossistema maduro – conclui o secretário.

Opinião semelhante tem Dionara Conrad, empresária do ramo de tecnologia e presidente do Instituto de Apoio à Inovação, Incubação e Tecnologia (Inaitec). Fundado em 2010, em uma parceria envolvendo a prefeitura de Palhoça, a Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), a Associação Comercial e Industrial de Palhoça e a Fundação Certi (Centros de Referência em Tecnologias Inovadoras), o instituto trabalha com o fomento de ações para o desenvolvimento econômico da região. De acordo com Dionara, o objetivo era trazer desenvolvimento e ser uma espécie de centro irradiador para todo o Estado.

Um exemplo de ação desenvolvida a partir do Inaitec é um aplicativo em que o morador pode monitorar a situação das ruas do seu bairro com o uso de câmeras de segurança.

– Usamos o recurso que é a própria cidade e temos o local como um grande laboratório de testes e protótipos – diz ela.

Além de atuar como uma incubadora de empresas, o Inaitec também conta com um programa de acolhimento de novas empresas, em que presta auxílio em trâmites como instalação física e licenças com a prefeitura do município, por exemplo.

– Aqui temos um objetivo único e também trabalhamos conectados. Temos muito apoio para colocarmos em prática nossos projetos – finaliza a presidente do instituto.

Escolas, universidade, mão-de-obra qualificada, investidores. Além desses agentes, empresas como a Impact Hub Continente, uma comunidade de empreendedores com mais de 15 mil membros, a fabricante de equipamentos para marcação e solda laser Welle Laser, e a escola de economia criativa Exosphere estão entre os habitantes desse ecossistema sustentável chamado Cidade Criativa Pedra Branca.

Publicação Original: http://dc.clicrbs.com.br/sc/pagina/pedra-branca-trabalho/

Os comentários estão encerrados.